A saúde dos cães pode ser afetada com as baixas temperaturas, para evitar problemas, é importante deixá-los sempre protegidos

Mesmo que o Brasil não tenha mudanças climáticas bruscas, há épocas do ano em que precisamos usar mais camadas de roupa para nos mantermos quentinhos. Nesses momentos, muitos tutores se questionam “será que meu cachorro sente frio?”.

Como se sabe, os cães possuem características diferentes dos humanos, consequentemente, sua sensibilidade ao clima também se diferencia – porém não significa que são insensíveis, muito pelo contrário.

Os cachorros acabam sendo tão sensíveis às baixas temperaturas quanto nós mesmos. Por essa razão, é muito importante darmos atenção a eles durante as épocas frias do ano, principalmente no inverno e outono.  

No Brasil, as mudanças climáticas não são tão bruscas e as estações onde o frio prevalece também não apresentam temperaturas muito baixas. Sendo assim, diversas raças de cães se adaptam às regiões com facilidade.  

Por que os cães sentem frio?

Os cães, assim como gatos, possuem sangue quente, assim, quando a temperatura externa de seu corpo diminui, passam a sentir frio, já que não conseguem se adaptar sozinhos ao clima.

Contudo, algumas raças de cães – próprias de regiões do mundo onde o clima é extremamente frio – conseguem tolerar as baixas temperaturas, principalmente devido a sua densa e longa pelagem. Mas até mesmo esses pequenos podem sentir frio, porém não como os outros.

Quanto mais pelos o pet tiver, maior será sua capacidade de se proteger contra o frio, por essa razão, antes de ter um novo animal de estimação é importante observar as características climáticas da região em que ele irá morar.

Alguns dos cachorros mais resistentes são: Akita Inu, Golden Retriever, Samoieda, Husky Siberiano, Chow Chow, São Bernardo e outros.  

Como identificar um cachorro com frio?

Outra pergunta muito comum entre tutores que estão em busca de dicas para deixar seus pets mais aquecidos é: como saber se meu cachorro está com frio?

Para identificar cães que estão sentindo frio, basta prestar atenção em algumas de suas ações. Por exemplo, caso o pet esteja encolhido em um cantinho da casa, é muito provável que ele esteja precisando de um bom cobertor para se aquecer.

Tremores também são características comuns em cães não aquecidos. Normalmente, casos como esses acontecem quando os pequenos saem de casa, já que do lado externo a temperatura acaba sendo ainda menor. Em razão disso, os passeios devem ser feitos em locais fechados ou então com menor tempo de duração.

Quando o cão passa a respirar e se movimentar lentamente, possivelmente ele está sentindo frio. Contudo, tais características são menos presenciadas do que as outras.

Melhores métodos para aquecer os cachorros no inverno

Muitos tutores não sabem como aquecer meu cachorro no inverno e muitas vezes acabam realizando técnicas erradas, nas quais ainda deixam os pets com frio. Porém, mantê-los aquecidos é muito fácil!

A primeira coisa para fazer é manter os bichinhos dentro de casa, principalmente aqueles com pelos curtos, já que são mais sensíveis ao frio. Assim ficam longe de correntes de ar, chuva e outros fenômenos climáticos – muitas vezes responsáveis por causar problemas à saúde dos pequenos.  

Caso o pet precise ficar fora de casa, é necessário colocar uma casinha em um local mais escondido, onde tais fenômenos climáticos não a alcancem. Além disso, quando as casinhas são colocadas frente a parede, o cão pode ter mais conforto e ainda evitar ventos gelados.

Mas afinal, como aquecer casinha de cachorro? Tanto nas casinhas, quanto caminhas e almofadas – que ficam dentro de casa –, podem ser colocados cobertores, paninhos e edredons, assim, o cão terá o auxílio deles para se esquentar e poderá descansar tranquilamente.

As roupinhas de cachorro também são muito bem-vindas em dias frios, principalmente quando feitas de lã, algodão ou soft, pois ajudam a manter a temperatura corporal dos pets, deixando-os quentinhos e muito confortáveis.

Outros cuidados com os cães no inverno

Durante o inverno, algumas práticas do cotidiano devem mudar, já que se continuarem com a mesma frequência podem trazer problemas de saúde aos cães. Uma delas é o banho, que precisam ser dados com intervalos longos de tempo para não causar infecções ou outras doenças de pele.

Contudo, quando se mostrar necessário, os banhos precisam ser feitos com água morna ou quente, assim evita resfriados, gripe e até mesmo pneumonia. A tosa também pode ser realizada com menos frequência, afinal, quanto mais pelos, mais os animais ficarão protegidos.  

É importante também entender como aquecer filhotes de cachorro corretamente para que não tenham problemas futuros de saúde. Para informações mais aprofundadas sobre o assunto, procure um especialista.