Quais são as possíveis complicações pós-castração?

Postado por PETZ, em Atualizado em Nov 16, 2020

Cachorros
Quais são as possíveis complicações pós-castração?
Tempo de leitura: 4 minutos

Recomendada pela maior parte dos veterinários, a castração é uma importante medida preventiva. Ao diminuir a produção de hormônios sexuais, ela ajuda a prevenir uma série de doenças graves, aumentando a longevidade dos pets. Embora complicações pós-castração existam, a cirurgia é considerada simples.

cachorro com colar elizabetano

Para isso, porém, é preciso tomar alguns cuidados na escolha da clínica que fará o procedimento. Também é preciso seguir à risca as recomendações no pré e na castração pós-operatório.

Conversamos com a Dra. Juliana Sanz, médica-veterinária da Petz, sobre as principais medidas para garantir o sucesso da operação. Ela explica quais são algumas das possíveis complicações pós-castração no cachorro e o que fazer em caso de problemas.

A castração é um procedimento realmente seguro?

De maneira geral, a castração é uma cirurgia relativamente simples e bastante segura. Porém, conforme explica a Dra. Juliana: “Assim como qualquer procedimento cirúrgico ou anestésico, pode envolver algum risco”.

Ao optar pelo procedimento, é fundamental conhecer melhor o profissional e a clínica que farão a castração. Além disso, certifique-se de passar o cãozinho por um check-up, com a realização de uma série de exames, a fim de entender melhor o estado de saúde dele. 

“A castração pode não ser recomendada quando o pet está com alguma doença pré-existente que traga riscos à saúde dele. Nesse caso, primeiramente o cachorro deve ser tratado para depois passar pelo procedimento”, alerta.

Segundo a Dra. Juliana, outra medida que contribui para evitar complicações pós-castração em cadelas e cães é optar por um local que utilize a anestesia inalatória. 

“Ela é considerada mais segura porque proporciona ao pet a dose necessária de anestésico, de acordo com a necessidade real tanto de tempo como de variação do próprio indivíduo”, diz a veterinária. 

Com o fim do procedimento, a inalação é interrompida logo em seguida, agilizando a recuperação. “Inclusive, caso haja alguma intercorrência durante o procedimento, a equipe consegue interromper no mesmo momento, aumentando a chance de reversão do quadro”. 

Entre as ocorrências possíveis durante e depois o procedimento estão hemorragia interna após a castração, reação ao anestésico e parada cardiorrespiratória. Lembrando que, com os cuidados adequados, estes são problemas muito pouco frequentes. 

Complicações pós-castração: conheça as principais

Então, você levou seu amigo para fazer a castração e aparentemente deu tudo certo durante a cirurgia. Agora, é preciso tomar cuidado e seguir à risca as recomendações do veterinário. Do contrário, pode haver complicações pós-castração de gatos e cães.

Por mais que seja incômodo, o uso do chamado colar elizabetano ou de roupa cirúrgica é fundamental nesse momento. Ele evita que o pet comece a lamber ou tente arrancar os pontos, o que pode resultar em infecções e/ou abertura da incisão cirúrgica. 

A agitação de alguns cães, especialmente os filhotes, é outro desafio para o pós-operatório. Nos primeiros dias após o procedimento, alguns pets machos deixam de sentir dor e acabam “esquecendo” que foram operados. Eles passam a agir normalmente, o que também pode levar a complicações pós-castração.

Também nesses casos, o uso do colar elizabetano ou da roupa cirúrgica ajudam a inibir a movimentação do pet. Além disso, procure manter o cachorro em ambiente sossegado.

“Sinais de que algo pode ter dado errado no procedimento são alterações na temperatura do paciente, vômito, manchas no abdômen, sangramentos. Em caso de qualquer sinal ou dúvida, o ideal é que você procure um médico-veterinário”, diz a Dra. Juliana.

cachorro triste

Atenção redobrada à castração das fêmeas

Ainda que também seja considerado um procedimento simples e frequente na rotina veterinária, a castração das fêmeas é um pouco mais delicada que a dos machos.

Isso ocorre pois, ao contrário dos testículos, útero e ovários são órgãos internos que, para serem retirados, requerem uma cirurgia mais invasiva. Logo, o pós-operatório também pode ser um pouquinho mais difícil e doloroso.

Para amenizar, o veterinário poderá recomendar o uso de analgésicos. Estes só devem ser utilizados sob prescrição médica, aliados ao uso de colar elizabetano e roupa cirúrgica.

Síndrome do ovário remanescente

Em casos raros, pode acontecer de a fêmea apresentar sangramentos característicos do ciclo estral mesmo após a castração. Isso ocorre devido à chamada síndrome do ovário remanescente, caracterizada por quando um fragmento do ovário permanece no organismo da cadelinha.

“A síndrome também pode ser resultado da queda de tecido ovariano no abdômen durante a cirurgia”, explica a Dra. Juliana Sanz. 

Ao suspeitar que esse pode ser o caso de sua amiga, leve-a ao veterinário para uma avaliação. Se for constatada a síndrome do ovário remanescente, será necessária uma nova intervenção cirúrgica a fim de remover o tecido residual do organismo da cadela.

cachorro com colar elizabetano

Para que não haja complicações pós-castração no seu amiguinho, leve-o a um centro especializado, como os da Petz. Assim, a cirurgia é feita com toda segurança e conforto para ele!

Compartilhe:

#

Petz

Aqui você encontra tudo e um pouco mais sobre o incrível mundo animal e fica por dentro dos cuidados essenciais com seu bichinho de estimação, seja para um cachorro, gato, passarinho, hamster, peixes e muitos outros — ou todos eles!

Petz

#

Aqui você encontra tudo e um pouco mais sobre o incrível mundo animal e fica por dentro dos cuidados essenciais com seu bichinho de estimação, seja para um cachorro, gato, passarinho, hamster, peixes e muitos outros — ou todos eles!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *