Dipirona para gatos: entenda como e quando medicar seu pet

Postado por PETZ, em 04/09/2020

Gatos
Dipirona para gatos: entenda como e quando medicar seu pet

Muitas vezes, ouvimos algumas recomendações para pets que nos deixam um tanto desconfiados. É o caso da dipirona para gatos. Esse é um medicamento muito utilizado na medicina, facilmente encontrado em muitas farmácias. Mas será que ele também pode ser utilizado nos peludos? 

gato com olhar sério

Os perigos dos tratamentos sem recomendação

Antes de falarmos se pode dar dipirona para gato, é importante destacar os perigos dos tratamentos sem recomendação de um especialista. O Dr. Ítalo Oliveira, médico-veterinário da Petz, reforça o quanto essa prática é extremamente desaconselhada. “Há riscos iminentes de intoxicação”, comenta. 

“Além disso, o pet ainda pode sofrer com severas lesões medicamentosas. Em alguns casos, a intoxicação pode até mesmo levar ao óbito” explica. Assim, mesmo que alguns remédios para pets trabalhem com componentes semelhantes àqueles encontrados em farmácias, sempre procure um veterinário. 

Pode dar dipirona para gatos?

Muitos tutores ouvem a recomendação de dipirona para gatos e ficam com a pulga atrás da orelha. Esse analgésico é muito comum para humanos, mas será que é seguro oferecê-lo para os peludos? 

O Dr. Ítalo explica que essa substância realmente é utilizada no tratamento para os pets. “Trata-se de um analgésico e antipirético. É um fármaco utilizado para diminuir a dor e a febre”, comenta.

Assim, dar dipirona para gatos realmente é uma prática comum entre os veterinários. Porém, é necessário cuidado! Administrar remédios não é algo tão simples. Um erro de cálculo pode levar o peludo a uma intoxicação. Por isso, consultar um veterinário é essencial. 

Administrando a dipirona

Sabendo que gato pode tomar dipirona, é importante ressaltar que o medicamento deve ser utilizado com cautela. O Dr. Ítalo explica que o remédio é indicado apenas em alguns casos, devendo ser sempre recomendado por um especialista. 

O veterinário ainda destaca que é necessário realizar um cálculo delicado para encontrar a quantidade ideal. “O profissional deve calcular a partir do tamanho e peso do pet. Além disso, o remédio só pode ser utilizado por certo período de tempo”, explica. 

Assim, mesmo que seja comum que um veterinário recomende utilizar dipirona, devemos fazê-lo com todo cuidado. Abaixo, listamos alguns pontos importantes na hora de administrar o analgésico para os peludos. 

  • Dê preferência para o remédio em gotas: com as gotas, é mais fácil oferecer apenas o indicado para seu peludo. Nesse caso, o veterinário indicará quantas gotas de dipirona para gato é ideal. 
  • Utilize uma seringa com água: quem tem um bichano em casa sabe como é difícil administrar uma medicação. Uma boa dica é diluir as gotas indicadas em uma seringa com água e, com muito cuidado, esguichar o conteúdo na garganta do felino. 
  • Fique atento nos momentos seguintes: a tarefa continua mesmo após administrar a dipirona para gatos! Alguns bichanos rejeitam a medicação, cuspindo ou até mesmo tentando vomitar. Por isso, é muito comum ver o gato espumando ao tomar dipirona. 

filhotes de gatos

Descobrindo a doença 

Ainda se perguntando “posso dar dipirona para gato”? Lembre-se que a saúde dos pets é um assunto sério. Portanto, devemos tratá-la com todo cuidado. Analgésicos, como a dipirona, servem para aliviar a dor. Entretanto, é importante lembrar que a dor é um sintoma, e não uma doença. 

Em outras palavras, as dores indicam para o corpo que algo está errado. O mais importante nesse caso é encontrar a origem do desconforto e, assim, ajudar o peludo a se recuperar. Esse diagnóstico só pode ser realizado por um especialista. 

Por isso é tão importante buscar um veterinário assim que notar que há algo errado com o bichano. O Dr. Ítalo lembra que os gatos são muito independentes e não gostam de demonstrar quando estão com dor. Alguns comportamentos, porém, indicam quando um felino está incomodado. São eles: 

  • Sensibilidade ao toque;
  • Dificuldade para caminhar;
  • Falta de apetite;
  • Desânimo,
  • Falta de higiene. 

Caso note qualquer um dos sinais acima, procure um veterinário o mais rápido possível. O especialista poderá notar se há algo errado com o bichano e, caso necessário, ressaltar os remédios mais indicados. 

Intoxicação por dipirona em gatos: o que fazer? 

Fornecer remédios sem a orientação de um veterinário traz problemas sérios para os peludos. De acordo com estudos, essa é uma das principais causas nas emergências veterinárias. 

Então, se você deu remédios para o peludo e está com medo de uma intoxicação por dipirona em gatos, o primeiro passo é buscar ajuda de um especialista. Somente ele poderá realizar um diagnóstico e orientar o melhor tratamento. Alguns sinais de intoxicação por remédios são: 

  • Apatia;
  • Gastrite;
  • Vômitos;
  • Sangue nas fezes,
  • Falta de apetite. 

Muitos tutores ficam preocupados ao verem o gato espumando ao tomar dipirona. Geralmente, esse comportamento é apenas uma rejeição do gato ao remédio e não representa um grande risco. 

Entretanto, caso seja acompanhado de outro sintoma, como dor ou miados, busque ajuda de um especialista. Lembre-se que saúde é um assunto sério e sempre procure auxílio de um veterinário de sua confiança.

gato recebendo carinho

Agora que sabe tudo sobre a dipirona para gatos, acesse o blog da Petz e tenha acesso a outros conteúdos sobre bem-estar animal!

Compartilhe:

#

Petz

Aqui você encontra tudo e um pouco mais sobre o incrível mundo animal e fica por dentro dos cuidados essenciais com seu bichinho de estimação, seja para um cachorro, gato, passarinho, hamster, peixes e muitos outros — ou todos eles!

Petz

#

Aqui você encontra tudo e um pouco mais sobre o incrível mundo animal e fica por dentro dos cuidados essenciais com seu bichinho de estimação, seja para um cachorro, gato, passarinho, hamster, peixes e muitos outros — ou todos eles!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *