Foi-se o tempo em que falar de animais de estimação era sinônimo de falar apenas em cães e gatos! Com cada vez mais gente trabalhando fora e morando em apartamentos, outros pets menores ganharam espaço nos lares brasileiros.

Mas, com tantas opções, você já deve ter se perguntado “como saber qual tipo de pet é melhor pra mim?”. Pois saiba que, se você já fez esse questionamento, está no caminho certo!

A melhor companhia faz a diferença

Ter o pet mais adequado para suas características é a melhor escolha, tanto para o animal, como para você. “Muitos tutores adotam o pet por achá-lo bonito e por querer uma companhia, mas temos que lembrar que é essencial garantir qualidade de vida a ele.”, diz a médica veterinária da Petz, Dra. Larissa Seibt.

A seguir, ela destaca sete perguntas que você deve se fazer para chegar no pet que mais combina com você e seu estilo de vida.

1. Por que quero ter um pet?

Pode parecer uma pergunta óbvia, mas acredite: ela é fundamental! Por exemplo, digamos que seu principal objetivo seja ter companhia. Um gato, um cachorro ou mesmo uma calopsita podem ser uma boa opção. Já uma tartaruga ou outro pet que fique quietinho no seu canto pode não ser tão interessante assim.

Por outro lado, se você está à procura de um hobby, peixes ou uma iguana podem estar na medida para você, já que exigem disciplina e dedicação na manutenção do aquário ou do terrário.

2. Tenho espaço para ele?

Embora, muitas vezes, pets consigam se adaptar, mantê-los em espaços muito pequenos não costuma ser benéfico para eles, ainda mais quando passam a maior parte do tempo confinados. Isso vale não só para gatos e cachorros, mas para a criação de todos os animais de estimação.

Lembrando que, nesses casos, é importante pensar também no local em que ele vai ficar. Pássaros, por exemplo, nunca devem ficar em locais com correntes de vento. Já as chinchilas, precisam de temperaturas inferiores a 30°C.

3. Quais alterações vou precisar fazer na minha rotina?

Tenha em mente que TODOS os pets têm necessidades específicas, mesmo aqueles que são conhecidos por não “dar trabalho”. No dia a dia, cachorros precisam de passeios, seguir horários de alimentação, brincar com o tutor, etc.

Já os peixes, também dependem de uma rotina alimentar, assim como da realização de testes de água semanais, entre outros cuidados. Você topa acordar mais cedo para passear com o cachorro? E estar em casa todos os dias no mesmo horário, para alimentar os peixes?

4. Ele vai ficar muito tempo sozinho?

Um dos principais motivos para adotar um pet é a busca por companhia. Mas e a companhia dele, será que ele também não vai sentir sua falta ou precisar de você na sua ausência? É importante pensar, não só na escolha, mas também em como cuidar de animais de estimação.

Para quem passa a maior parte do tempo fora de casa, o ideal é optar por pets mais independentes, como roedores, por exemplo. Já se quiser ter um cachorro, uma alternativa é deixá-lo em um day care durante o dia. Seja como for, é importante pensar nisso para se programar.

5. O que eu sei sobre o pet que quero ter?

Quase todo mundo conhece alguém que adotou um pet e, mais tarde, passou a lamentar que ele dá muito trabalho ou resulta em gastos excessivos. Claro que existem exceções, mas, na maior parte das vezes, não é o pet que exige cuidados ou despesas inesperadas, é o tutor que não pesquisou o suficiente para conhecer as necessidades do futuro amigo.

Por isso, para evitar surpresas, é importante que antes de adotar um pet, você pesquise características dele, com destaque para: temperamento, gasto de energia diário recomendado, tipos e preços de ração, vacinas necessárias, entre outros. Assim, fica mais fácil tomar uma decisão consciente de acordo com a sua disponibilidade de tempo e financeira.

6. Com quem ou onde o pet vai ficar quando eu viajar?

Você sabia que, no fim do ano, o abandono de animais é 15% maior do que nos outros meses? Muitas vezes, isso ocorre porque as famílias vão viajar e não têm com quem deixar o pet. Trata-se de uma estatística triste, que mostra o impacto da falta de planejamento na hora de levar um novo amigo para casa.

Mesmo que você não passe dias fora com tanta frequência, pensar no local e com quem você deixaria o pet em caso de necessidade é uma atitude responsável. No caso de gatos e cachorros, atualmente, existem hotéis específicos para eles. Procure se informar sobre os preços para saber se é uma opção viável.

Outra saída – válida também para outras espécies – é deixar o pet com um conhecido. Nesse caso, é importante perguntar se o amigo ou familiar aceita mesmo a tarefa. Lembrando que eles também podem não estar em casa no momento da sua viagem. Por isso, é importante estudar tudo sobre animais de estimação.

7. Conheço as fases da vida do meu futuro pet?

Se nós não permanecemos os mesmos e não temos as mesmas necessidades durante toda a vida, por que isso seria diferente com os pets? É por isso que, além de saber as características gerais do bichinho que você planeja adotar, também vale a pena se informar sobre as necessidades específicas dele durante a sua vida.

Nesse sentido, fique especialmente atento à terceira idade do seu amigo e também à expectativa de vida. Enquanto cachorros podem passar dos 15 anos, hamsters costumam viver apenas 2.

Como estará a sua vida daqui a 15 anos? Dependendo dos seus planos para o futuro, pensar na expectativa de vida é importante para te ajudar na decisão.

Veja as necessidades de toda a família

Além dessas perguntas, a Dra. Larissa diz que a escolha do pet também deve ser uma decisão familiar. “Se você tem filhos, vale se perguntar se eles têm idade suficiente para entender que o pet não é um brinquedo ou se alguém na casa tem alergia”, diz a especialista.

“A adoção consciente e correta avaliação da família e do pet são processos longos e complexos, porém é muito melhor descartar opções que não servirão para sua rotina e encontrar o pet com temperamento adequado do que, depois de uma tentativa, ter que tomar a difícil decisão de devolver o pet ou desistir dele. Um animal não é brinquedo ou uma peça de decoração e sim, um compromisso para sua vida toda”, finaliza.

Acompanhe nosso blog para saber mais sobre diferentes espécies de animais de estimação. Quem sabe você não descobre seu futuro companheiro!